Top Ad 728x90

quinta-feira, 16 de março de 2017

,

Caravanas de sindicalistas de Acrelândia protestam contra reforma previdenciária em Rio Branco

Organização não soube informar quantidade de pessoas que está no ato. Manifestação ocorre no Centro da capital acreana, em frente do palácio.


Sindicalistas se reuniram na manhã desta quarta-feira (15) em frente ao Palácio Rio Branco, no Centro da capital acreana para protestar contra a reforma previdenciária, entre outros motivos. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac), trabalhadores de todo o Acre foram chamados para participarem do ato. A organização não divulgou o número de participantes. A assessoria da Polícia Militar informou que uma guarnição está sendo deslocada para acompanhar o movimento.

Após o início do ato, os manifestantes tomaram as ruas do Centro de Rio Branco. Agentes da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito de Rio Branco (RBTrans) estão ajudando a organizar o trânsito que está complicado no Centro da capital no cruzamento da Avenida Brasil com a Marechal Deodoro.

"O Brasil todo está fazendo essa paralisação. Os metroviários em outros estados estão parados hoje, os trabalhadores rurais estão fechando BRs. Aqui no Acre estamos nos concentrando em frente ao Palácio Rio Branco e mobilizando todos os trabalhadores. Os sindicatos têm a maior presença e dos trabalhadores em Educação, mas, vamos ter bancários, urbanitários, vigilantes e os servidores da universidade federal", disse Rosana Nascimento, presidente do Sintesac.

A sindicalista acrescentou que toda a classe trabalhadora esta insatisfeita com a reforma e que os trabalhadores são os mais prejudicados. "É um movimento contra a 'PEC da Morte' que tira o direito do povo brasileiro de se aposentar. Vamos sentar com os sindicatos e ver qual é o melhor momento para finalizar o movimento. Ainda não sabemos se vamos fechar ruas ou serviços essenciais. Tem caravanas dos municípios de Plácido de Castro, Acrelândia, Capixaba, Bujari e Porto Acre, eles estarão aqui logo mais", acrescentou.


Reformas do governo federal

O governo Temer detalhou, no fim do ano passado, pontos da reforma que quer promover na Previdência Social. O texto em apreciação no Congresso Nacional prevê, entre outras coisas, o estabelecimento de 65 anos como idade mínima para os contribuintes reivindicarem a aposentadoria.

Ainda em 2016, o governo federal apresentou uma proposta para também mudar a legislação trabalhista. Uma das ideias é permitir que negociações coletivas se sobreponham à lei. Em caso de acordo entre patrão e empregado, por exemplo, a jornada de trabalho poderia chegar a até 220 horas por mês (nos casos de meses com cinco semanas).

Fonte: G1 Acre

Top Ad 728x90